MINISTÉRIO DA VERDADE?

esse verdadeiro Big Brother de Toga...

Por SILVIO MUNHOZ 02/09/2021 - 18:06 hs

“E se todas as outras pessoas aceitassem a mentira imposta pelo Partido – se todos os registros narrassem a mesma história –, então a mentira entrava para a História e se tornava verdade. ‘Quem controla o passado’, dizia o slogan do Partido, ‘controla o futuro, e quem controla o presente controla o passado’. O que quer que fosse verdade agora seria a verdade permanente. Era bem simples. Era preciso apenas uma série ininterrupta de vitórias sobre a memória do indivíduo. “Controle da realidade” era como o chamavam. Em novidioma.” Gerge Orwell[1].

         Pois é, meus amigos, como disse nos últimos artigos, chegamos ao fundo do poço e havia um alçapão que foi aberto. Ao encontrarem terra embaixo começaram a escavar e continuam escavando e ninguém sabe onde pretendem chegar, nem como fazê-los parar de modo pacífico!..

            Por incrível que pareça o Brasil acordou dia 27/08 com a criação pelo ‘supremo tribunal federal’ (minúsculas propositais) do PCD[2] (programa de combate à desinformação) um verdadeiro Ministério da Verdade à la 1984 trazendo para a realidade atual do país um dos maiores absurdos da mente Orwelliana na mítica ficção produzida há décadas. A finalidade como consta da epígrafe era “controlar” e manter o povo na ignorância, pois na clareza meridiana de um slogan do Partido que controlava Oceania, IGNORÂNCIA É PODER.

            Segundo a ‘corte’ com a finalidade de: “de enfrentar os efeitos negativos provocados pela desinformação e pelas narrativas odiosas à imagem e à credibilidade da Instituição, de seus membros e do Poder Judiciário, [...] a fim de manter a proteção da Corte acerca das liberdades de comunicação. [...] e a contestação de notícias falsas: publicação de notícias em página especial denominada #VerdadesdoSTF para contestar boatos ou desmentir notícias falsas sobre a Corte ou seus integrantes.” Criou o seu Ministério da Verdade. Em síntese, acima do bem e do mal e da realidade dos fatos, a partir de agora, serão os donos da verdade,  definirão o que é verdadeiro ou falso e desmentirão oficialmente aquilo que não esteja de acordo com a “verdade” deles.

            Claro, não revogam, mantêm as liberdades previstas no art. 5º da CF, a livre manifestação do pensamento, só vedado o anonimato, e a liberdade da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, no entanto, a questão de poderem ser exercidas tais liberdades,  independentes de censura ou licença, ainda está em estudo, não definiram se terá de ser previamente autorizado ou não, mas uma coisa é certa, estão proibidas quaisquer críticas à ‘corte ou seus integrantes’ e qualquer pensamento atentatório ao que o colegiado – ou até mesmo um único de seus membros – definir como verdade.


            Em caso de descumprimento o cidadão será acusado da prática de: “crimideológico. O crimideológico não era algo que pudesse ser escondido para sempre”[3] e incluído em um dos inquéritos Kafkianos, seja o do “fim do mundo” ou o das atos antidemocráticos, hoje transformado ilegalmente – após pedido de arquivamento do PGR- no das “milícias digitais”.

            O inquérito das “milícias digitais”, aliás, é uma clara demonstração do duplipensar da corte, pois quando era o PT criando, escancaradamente, ‘patrulhas digitais’ MAVs (militância em ambiente virtual) e prometendo espalhar ‘militantes virtuais por todo país’ – como noticiado pela Folha de São Paulo de 18 de outubro de 2011 – não recordo (minha memória talvez esteja fraca), da abertura de nenhum inquérito kafkiano, de nenhum mandado de prisão expedido, de ninguém preso por conta da ‘milícia digital petista’... Alguém lembra?? Isso faz a gente pensar sobre a atuação atual. Será ideológica a perseguição a quem possui viés diferente ao pensamento da ‘corte’??


          

  Evidente, a criação do Ministério da Verdade não pegou ninguém de surpresa, pois o Presidente anterior declarou ser a ‘corte’ o Editor de uma nação inteira[4], como se percebe, o Presidente atual, somente, colocou em prática o sonho de consumo de seu antecessor.

            Porém relembremos episódio recente, inclusive, narrado na crônica “papo democrático[5]”, para vermos como funcionam as #VerdadesdoSTF. Após o Presidente da República denunciar em live  a ocorrência de invasão do sistema das urnas eletrônicas e, portanto, ser possível a ocorrência de fraude? Recordam? O TSE[6] pediu e o Ministro-relator incluiu, à revelia do Ministério Público, o Presidente da República no inquérito das FakeNews – popularmente apelidado de ‘inquérito do fim do mundo’ -, por propagar notícias falsas e declarações infundadas sobre supostas fraudes no sistema eletrônico...

            Poucos dias depois, porém, é desvelada a prova por intermédio – das partes não sigilosas de um inquérito instaurado pela Polícia Federal a pedido do TSE para investigar a invasão do sistema das urnas eletrônicas. Em virtude disso o Presidente do Tribunal Eleitoral foi OBRIGADO[7] a admitir publicamente a violação do sistema, embora eufemisticamente haja insistido – não houve e nem há como ocorrer fraude.

            Passaram alguns dias, e a bomba, a Polícia Federal prendeu os responsáveis pela invasão ao sistema do Tribunal Eleitoral[8]. Ao fim e ao cabo, parece que, ao contrário de notícias falsas e declarações infundadas, o Chefe do Executivo estava certo, as urnas eletrônicas brasileiras não são invioláveis como apregoado e se podem ser invadidas, à evidência, é possível a ocorrência de fraude, embora – somente para argumentar – possa ainda não haver ocorrido. Qual o interesse, então, em não melhorar o sistema das eleições em prol da democracia? Essa é a pergunta que não cala... hummm, acho que será calada, agora, com o Ministério da Verdade.

            No episódio narrado, após a apresentação das provas, não sigilosas, contidas no inquérito da polícia federal aberto a pedido do TSE, o Ministro-Relator dos absurdos inquéritos (fim do mundo e milícias digitais) afastou o Delegado da Polícia Federal do caso. Isso é sério[9]...  e demonstra, claramente, a utilização pela ‘corte’ da tática de aplicar a velha e manjada máxima esquerdista: “acuse-os do que você faz”, pois enquanto interfere na atuação da Polícia afastando Delegado, abriu e mantém até hoje, inquérito policial contra o Presidente por “interferência na polícia federal”, aliás, poderia se chamado ‘inquérito sem fim’, pois dura mais de ano e já prorrogado, inúmeras vezes, sem que nada haja sido provado.

Ministério da Verdade - Home | Facebook

Apesar desse terrível atentado à principal das liberdades, a liberdade de expressão, com a criação do Ministério da Verdade, não perceberam a diferença crucial existente entre 1984 e hoje, a internet e suas redes sociais, pois lá se apagava a ‘história real’ e em seu lugar era contada a ‘história oficial’, que acabava virando verdade por não poder ser contestada, eis que eram destruídas as notícias que provavam e contavam a ‘história real’; hoje existe o ‘santo print’, há a memória ‘armazenada nas nuvens’, em resumo, hoje a ‘história e verdade oficiais’ podem ser espancadas pela realidade preservada e eternizada por conta do avanço tecnológico Podem tentar, ao criarem esse verdadeiro Big Brother de Toga[10], mas não conseguirão mais enganar o povo!..

“O Tribunal Ativista não quer aplicar a lei, e sim impor sua visão de mundo, suas convicções ideológicas – sobre aborto, drogas, segurança pública, algemas e até sobre urnas eletrônicas; se a lei não coincide com essas convicções, pior para a lei... [...] Ao que parece os ativistas do STF não acham que são reis; eles tem certeza de que são Deuses.” Marcelo Rocha Monteiro.[11]

Que Deus tenha piedade de nós!..