DEUS QUIS REVELAR -SE PARA NÓS

O poderoso fez em mim maravilhas e Santo é seu nome

Por PATRÍCIA CORTES 12/10/2021 - 19:17 hs

A Sabedoria constitui algo distinto do que entendemos por conhecimento, embora ambos partam da mesma fonte, Deus.


Salomão, monarca com regalias próprias do seu trono, percebeu que todo aquele ouro que tinha era nada diante de tal Magnitude. Então, deu-se conta de que recebia de Deus a sabedoria com S maiúsculo, aquela única coisa que de fato valia, e, movido pelo AMOR divino, proclama: “Todo ouro do mundo é um punhado de areia”.


Estaria, porventura, o rei Salomão profetizando sobre a vinda da Verdadeira Sabedoria ao mundo, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós?


Não menos importante, nos textos bíblicos, o Rei Davi, nos Salmos, pede para colocar Deus acima das pessoas e das coisas. Um rei dizendo aos súditos que NADA no mundo tem mais importância do que a devida adoração ao Criador. Dois reis, dois reinados distintos, toda a riqueza e benesse próprias da realeza se prostram entre o nada de suas existências. 

Se recolhiam para adorar a Deus, sabendo-se criaturas. 


Por que dois reis fariam tal coisa?


Todos nós, independente de sermos súditos ou reis, experimentaremos a caducidade, a brevidade, a corrupção dos nossos corpos, as dores físicas e emocionais próprias deste mundo, neste corpo limitado e frágil.


E o que seria a sabedoria para você?


Ter conhecimento, seja teórico ou prático, filosófico ou teológico ou ainda cientificista não dimensiona o que esse Deus (autor) e esses dois reis gigantes do passado (atores secundários) nos queriam dizer em seus textos históricos. São fatos reais de dois homens reais com poder e fé inabalável, documentados no Antigo Testamento. 


Eles a entenderam e replicaram nos textos sagrados. Leia-se sobre o rei Salomão no livro da Sabedoria (7, 7-11).


Deus quis revelar -se para nós, para a nossa conversão a Ele. 


A primeira expressão do seu Amor na sua própria criação, nós e tudo o mais, tudo aquilo que passa, que morre e cuja existência temporal não dá conta de violar as leis da própria física.


Tudo passa, tudo passará. 


Eu e você também! Acredite nisso, aceite e viva a sua vida da melhor maneira possível, sabendo que esta vida transcorre para o começo da vida verdadeira, não esta, esta NÃO!


Em segunda ordem de grandeza, após sua sublime e magnífica criação e tudo o que existe sob o céu e sobre a Terra, é nas Sagradas Escrituras que Deus exorta o ser humano por meio de uma inspiração divina a tal conversão, independentemente de a qual classe social o indivíduo pertença. Pobres ou ricos, não importa, mas nos adverte com: “Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!”


Não pense apenas no quantitativo que você acumula, pense no quanto você pode servir a Deus de forma digna como eles fizeram sendo reis.



Tanto Salomão quanto Davi profetizaram 1.000 anos antes que a Sabedoria viesse na forma de um Rei, este sem coroa de Ouro de Ofir ou cedros do Líbano; sua única coroa seria uma de espinhos, sua única veste, despojada diante de um tão sublime e doloroso sacrifício, o da Cruz!


Quem penetra assim na nossa alma?


Com certeza não são os teoremas ou as propostas científicas que podem se contrapor. Afinal, até Einstein refuta Newton com relação à Teoria da gravidade.


Em tempos em que tudo virou um baita academicismo crônico ateu ou agnóstico, tudo tem que passar pelo crivo único da ciência, a qual prontamente não tem, nem jamais terá, todas as respostas.


Por fim, acabo tendo muita pena de quem se ampara apenas nisso para dar contas daquilo que lhe é muito difícil de resolver dentro de si.


Deve ser difícil viver nesse escuro lugar da sua alma. 


É impossível dissociar a Sabedoria do Cristo que veio, do Emanuel, do Deus conosco, daquele que separou a história da humanidade entre o antes e o depois. 


A sabedoria não é um conceito, mas uma Pessoa! 


Ter sabedoria é querer viver os valores dessa Pessoa. Viver a Sabedoria é sobretudo querer ser despojado como essa Pessoa, é querer trilhar os caminhos que esta Pessoa indicou por meio de seus ensinamentos.


Nem mesmo o mais sábio e influente dos homens, o altamente racional, proveniente de qualquer área do conhecimento, poderia experimentar esta Sabedoria COM S maiúsculo sem conhecer o próprio autor de sua sapiência ou ciência: Deus, que é justo e Bom, pois não se cansa de derramar em graças, inclusive para os que Dele tanto recebem e nada ofertam a não ser suas breves e miseráveis existências, sem nem ao menos olharem para além das trevas de suas visões, negando-O noite e dia, sem cessar. 


Protágoras dizia: “A medida de todas as coisas é o homem, mas nós não cremos nisso, senão nos restaria apenas uma medida, a do relativismo”.


A sabedoria de todas as coisas é Deus.


Hoje, ao ler sobre o jovem rico, Jesus nos revela sobre a dificuldade do desapego. Quantos de nós nos apegamos a coisas, a bens, a pessoas, a prazeres, a saberes, a sermos, a termos... nada disso importa mais do que andar na presença Daquele que não passa. 


Somos humanos e, como tal, Ele sabe o quanto nos custa crer. Aquele jovem era muito rico, e quando percebeu que Jesus vinha em sua direção, aproveitou para prostrar-se diante alguém que ele considerava ser um sábio, dizendo-lhe:


“Bom Mestre, o que devo fazer para ganhar a vida eterna?” Ao que imediatamente a Sabedoria responde: “Por que me chamas de bom? Só Deus é bom e MAIS ninguém”.


Seguindo-se a este chamamento, Jesus o exorta ainda mais: “Tu conheces os mandamentos?” Ao que o jovem replica: “Tudo isso tenho observado desde a minha juventude”.


Então, o que acontece em seguida?


Jesus o olha com amor! E continua: “Só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me!”


A tristeza imediatamente se abateu sobre o jovem rico, porque tudo ele “observava”, seguia os mandamentos da Tanake, que é o Antigo Testamento, composto da Torá, dos Profetas e dos Escritos, mas isto, isto de deixar seus bens, era demais para ele. Entristecido, então, partiu. 


Você já deve ter ouvido essa história por aí! Na sua própria família, entre os seus amigos, quantos partem porque a eles é duro demais seguir algo que não veem, não provam cientificamente, logo, convém deixar para lá. Não pensar na eternidade não nos torna menos comprometidos, muito pelo contrário, é na escuridão da minh'alma que encontrei respostas e por isso tenho o dever de apontar o caminho seguro.


Segue quem quer! Afinal, a liberdade de escolha também provém Daquele que você diz não existir.


Corajoso ou maluco?


Inconsequente, talvez! Perdido? Possivelmente!


E você? Quem é você nessa história?


Dentro de nós há o desejo da eternidade, não é uma mentira, sentimos a necessidade de eternizar momentos felizes, nas fotos amareladas, nos nossos celulares, nos porta-retratos lembramos da vida e legado de quem nos antecedeu, quereríamos voltar no tempo, temos a vontade de fazer durar tudo o que é bom, tudo o que é prazeroso, tudo o que faz nos sentirmos melhores.  


Dentro de nós, os momentos bons insistem em se eternizar, ao passo que a dor, a gente quer que passe logo, que suma, que não exista. E isso não é errado. Errada é a nossa perspectiva da verdade ou da verdadeira sabedoria que reside Naquele que tudo criou.


Queira você ou não!


Não somos um amontoado celular que vive, come e morre. Isso seria pouco, demasiado pouco! 


Somos todos chamados a essa liberdade de viver a maior expressão da nossa alegria, a vida que transcende, suplanta a dor da perda dos nossos amados e continua, uma vida plena e modificada porque antes de TUDO Ele nos amou.


Esse jovem tem desejo de eternidade, mas as suas escolhas são ruins.


Muitos jovens acham que a beleza, a felicidade fugaz, os prazeres sexuais e tudo o que reluz em suas pobres vidas, como, por exemplo, a sua formação intelectual, irão fornecer-lhes respostas certas e imediatas.


Pobrezinhos!  


Acumulando derrotas seguidas e um misto de tristezas e desalentos, decepções e fugas, numa hora ou outra, estas coisas acometem direto essas almas que adoecem.


Vivem um deserto em si mesmos por livre escolha de seus atos de negação de sua fé e preferindo pôr cem por cento de “fé” na razão, na matéria desprovida de transcendência, no fim absoluto de TUDO no dia de sua morte.


Para relativistas, agnósticos ou ateus, a não-crença na eternidade de suas vidas já os conduz ao abismo de tantos males quanto a total e completa visão de um mundo sem oportunidades ou alegrias. Um peso pesado demais, creio eu.


Matam em si, já neste mundo, a oportunidade de contemplar a Verdade. Têm medo de olhar pelo buraco da fresta de suas almas e confrontarem-se com uma luz.


Jesus quer chamar cada um de nós ao desapego, mas apegados que somos, não conseguimos dar passos. Aquele jovem pode ser eu, pode ser você. 


Quais coisas, pessoas ou ideias te impedem de dar passos nesta direção?


Você é o responsável por sua vida aqui e depois desta passagem, nada nem ninguém acabará num túmulo fétido porque não somos apenas material descartável. 


Ele já nos mostrou que a vida após a morte existe, ou você conhece algum outro homem que tenha ressurgido, andado e comido com os seus por quarenta dias, até elevar-se diante deles, suas testemunhas, que entregaram suas próprias cabeças a prêmio para levar o Evangelho a toda criatura?


No primeiro, segundo e terceiro séculos, principalmente, homens, mulheres e crianças foram dizimados, decapitados, flechados, apedrejados, lançados às feras diante de plateias pagãs que aplaudiam o rompimento de sua carne e o estilhaçamento de seus ossos porque estes não se deixaram alienar daquilo que eram - cristãos! 


Essa geração pagã, da grande arena, ainda vive aqui, entre nós. Não nos lançam aos leões porque seria considerado um crime “ambiental”, mas nos querem reduzidos ao pó. Haja vista que continua por muitos lugares a perseguição a comunidades inteiras de cristãos. Basta googlear!


Eu queria apenas um nome que suplantasse o nome de Cristo, mas outro não há senão o do próprio Deus!


Ter sabedoria é usar as coisas que passam, mas visando as coisas que não passam. É saber olhar para esta brevidade de vida, como aqueles dois reis olharam, como os apóstolos e todos os que os sucederam. É saber valorizar cada ensinamento passado, escrito ou falado e perceber o seu tamanho diante da magnitude de toda a criação.


DEUS deu ao homem, e somente a ele, a capacidade de olhar as coisas e usá-las, e não a de ser usado por elas.


Acumular é acumular. Você já entendeu isso. 


Quando chegar a hora de partirmos, qual pensamento ou lembrança, pessoas ou coisas prevalecerão ante o inevitável momento?


Eu fico com a fé, com a esperança e o Amor, aqui, hoje, chamo-a “Sabedoria”.


Ter sabedoria é ter a coragem de dizer assim: 

“Deus, tira tudo de mim, mas não tires a minha fé. Podes tirar a minha saúde, mas não tires a minha fé.” 


A fé é algo que nos aponta a eternidade. Sem ela, só enxergamos o mundo com olhos absolutamente céticos, tristes e decepcionados caminhamos neste mundo como mortos-vivos.


Senhor, que eu não seja apegada a mim mesma, que diante das minhas escolhas eu coloque o Senhor Jesus Cristo em primeiro lugar e, no fim, eu possa dizer: Hosana! 

Nada me falta. Tudo tenho!


Meu maior tesouro não é deste reino, mas do que há de vir. Lá está a minha verdadeira alegria e júbilo e é para lá o meu esforço diário, as minhas lutas pessoais travadas dentro de quatro paredes ou nos embates públicos defendendo a Verdade.


Faça o bem e seja bom, mas que seu coração esteja posto na eternidade de sua alma, senão, ainda que estas coisas sejam maravilhosas, ao negar o Criador, você nega também a possibilidade de viver eternamente entre os eleitos e ouvirá um retumbante: “Não te conheço!”




“O poderoso fez em mim maravilhas e Santo é seu nome”, disse Nossa Senhora quando o Anjo anunciou que ela conceberia e daria à luz um filho cujo nome está acima de todo nome.


Jesus, nesse nome há poder e há eternidade. Eis a verdadeira Sabedoria em Pessoa!


   PATRICIA CORTES