CHIANTI CLASSICO E A LENDA DO GALLO NERO

EVOÉ!

Por RÔMULO PAIVA FILHO 24/10/2021 - 10:00 hs



Bom dia, amigos do vinho. A história dessa maravilhosa bebida é cheia de acontecimentos pitorescos, curiosos e até mesmo inverossímeis. Diz o ditado que Deus ajuda a quem cedo madruga e nosso encontro de hoje vai ser sobre como um modesto galo preto foi o responsável pela definição de uma das denominações de origem controlada mais famosas do mundo, a do Chianti Classico da Italia, cujo símbolo é o dito galo. No Século XII as cidades de Florença e Siena viviam em conflito pela posse das regiões de Chianti, Senesi e Fiorentini. Visando evitar uma guerra com perda de vidas de soldados de ambos os lados, essas duas cidades decidiram delimitar os limites da área de cada uma de forma pacifica e bastante curiosa e inusitada: dois cavaleiros representando cada um Florença e Siena e usando as cores de sua cidade, partiriam cavalgando do portão de sua cidade ao cantar do galo e o ponto onde os dois se encontrassem seria o marco definidor dos limites dos dois municípios em contenda, ou seja, quem cavalgasse mais conseguiria maior área para sua cidade. Na véspera da disputa Siena escolheu um galo branco e Florença um negro. Siena optou por empanzinar seu galo de comida, acreditando que o mesmo iria acordar mais cedo que o oponente e assim fazer com que seu cavaleiro saísse antes. Já Florença adotou estratégia diametralmente oposta, deixando seu galo passar fome. O resultado não poderia ser outro: enquanto o galo de Siena, com o bucho cheio, dormiu demais e perdeu a hora, o galinho preto de Florença, desesperado de fome, perdeu a noção do dia e da noite, acordou mais cedo e cantou antes do raiar do dia, reivindicando sua comida. Isso proporcionou uma enorme vantagem para o cavaleiro de Florença, que garantiu à cidade uma área bem maior. O ponto de encontro foi a apenas 12 km de Siena, em Castellina e ali foi definido o limite entre as duas áreas municipais. Hoje essa região produz o vinho Chianti Classico, cujo símbolo é o heróico galinho negro representante de Florença, que ficou com quase todo o território entre as duas cidades, de cerca de 71.800 hectares. Atualmente os vinhos dessa região possuem duas denominações: Riserva e Gran Selezione, todos ostentam no gargalo o selo do “Gallo Nero” e são reconhecidos mundialmente por sua qualidade. A denominação Gran Selezione surgiu em 2013 e se refere a vinhos produzidos a partir de vinhedos menores e sob rigorosas regras. Todos os vinhos tem que ter pelo menos 80% da casta autóctone toscana Sangiovese, usando-se também Malvasia e Trebbiano. 


Bem, meus amigos, vou ficando por aqui, até domingo que vem, se Deus e Baco assim o permitirem. 


EVOÉ!

INSCREVA-SE: 

doity.com.br/agora-do-direito-tribuna-diaria-o-novo-normal-do-direito