DE VOLTA PRA CASA

Por ÉRIKA FIGUEIREDO 24/01/2022 - 21:26 hs


Na última coluna, prometi contar para vocês sobre meu retorno de Dubai. Como cumpro as minhas promessas (coisa cada vez mais rara, entre as pessoas, nos dias de hoje), segue meu relato de retorno.

            Nossa volta ao Brasil foi tão conturbada, quanto havia sido a ida. Teste de covid realizado em um posto do Health of Dubai, órgão que controla e monitora toda a vida das pessoas por lá, desde o início da pandemia.

            Para vocês terem uma idéia do alcance dessa instituição, muito similar aos órgãos de controle que têm surgido na China, tenho uma amiga que reside em Dubai, trabalhando como guia de turismo, oficialmente cadastrada. A mãe e o filho desta testaram positivo para covid, após realizarem um exame, em um desses postos.

            Pois bem, minha amiga ficou impedida de sair de casa e de trabalhar, em quarentena monitorada, por 14 dias. Sequer pude ir à casa dela, não nos encontramos durante minha estadia na cidade. Assim funcionam as coisas por lá, em tempos de histeria. Há, inclusive, multas e punições pesadíssimas, para quem descumpre as regras.

            Eu e meu filho fizemos o exame, que por graça divina deu negativo. No dia seguinte, imprimimos o resultado no hotel, e começamos a nossa odisséia às quatro da manhã, no aeroporto Internacional de Dubai. Muita fila, exibição de testes, certificados de vacina, formulários, QR code... entramos no vôo finalmente, para voltar para casa.

            Chegar em casa, após uma viagem longa, é sempre um teste de paciência. Volta-se exausto do vôo e encontra-se todos os problemas à espera, ansiosos para te receberem! Não foi diferente comigo. Some-se a isso um fuso horário com diferença de sete horas, e o metabolismo todo descompensado pela alimentação desregrada... voltar pra rotina está sendo difícil e desafiador.

            Nesses momentos, aprendi a recorrer a algumas estratégias, as quais muito me ajudam e reequilibram. Fazer uma boa massagem. Socorrer-me de chás e de uma alimentação balanceada. Fazer exercício físico. E deixar que o corpo e a vida sigam seu fluxo e entrem no ritmo natural.

Sobretudo, quando há mil coisas para resolver e decidir na chegada, já que os problemas não tiram férias, é necessário saber eleger prioridades, focar no que é mais importante, organizar as tarefas, enquanto vamos nos ambientando de volta.

Quem me conhece sabe que sou fascinada pela astrologia, pelo movimento dos astros e a sua influência em nossas vidas, pelos elementos da natureza- água, fogo, terra e ar- que se comunicam diretamente com os 12 signos do zodíaco e com os 4 tipos de temperamentos humanos, pelas camadas da personalidade (teoria criada pelo professor Olavo de Carvalho) ...



Mais recentemente, interessei-me pela medicina ayrvédica, com seus chás, suas massagens, seus rituais e seus benefícios múltiplos, por ser uma ciência que compreende que o corpo e a mente estão diretamente conectados. Tudo isso porque, depois que comecei a estudar filosofia, passei a compreender o homem como um ser integral, cujas ações e reações não estão deconectadas de seu intelecto. O homem é o único ser vivo que possui vontade, podendo mudar o curso da sua vida, as suas escolhas e o seu modo de ser.

Por isso mesmo, o homem sofre, diretamente, os efeitos de seus pensamentos, de suas aflições e angústias, de forma que é possível enxergar, claramente, que a forma como você conduz a sua mente, pode desencadear reações em seu corpo, as quais podem ser benéficas e prazerosas, ou danosas, gerando inflamações, doenças crônicas, dores e desconfortos sem fim.

Por conta disso, a ayurveda ensina as pessoas a se observarem, avaliando o desequilíbrio corporal, por meio de sinais, efeitos e reações, possibilitando, assim, um tratamento adequado e resultados surpreendentes.

No mundo veloz e instantâneo em que vivemos, há sempre um remédio para tudo. E, por conta da milionária indústria farmacêutica, e da proliferação de drogarias a cada metro quadrado, tudo é medicado. Não se busca descobrir o porquê do sintoma, mas, tão somente, atacar a consequência. Essa hiper medicação acaba gerando novos problemas de saúde, os quais são efeitos colaterais do uso contínuo de determinada substância química. Tudo isso é muito fácil de ser compreendido, mas difícil de ser aplicado, na prática. Afinal, quem quer ficar com dor de cabeça? É muito mais fácil tomar um comprimido !

E aí entra a ayurveda. Ensinando a prestar atenção nos sinais que seu corpo emite, da mesma forma que devemos prestar atenção nos sinais que a vida nos traz. Porque esses sinais são o jeito que Deus encontra, de comunicar-se conosco. Os sinais do corpo são o modo mais eficaz, para percebermos o que anda errado conosco.

Por isso, nessa minha chegada, eu fiz um spa doméstico, me enchi de chás, massagens, alimentos saudáveis e líquidos (Nesse calor senegalêsco). Aos poucos, meu corpo e minha vida voltam ao normal. Quanto aos problemas... Ah, esses fazem parte da vida, é preciso conviver com eles, na certeza de que tudo passa, e que o importante é não se deixar paralisar.

Um maravilhoso finalzinho de férias para os que estiveram, assim como eu, off do trabalho ou dos estudos. E uma excelente continuação de jornada para os muitos que, assim como meu maravilhoso editor, não puderam parar, pois alguém precisa fazer o trabalho pesado!!!