PINOTAGE: GENUINAMENTE SUL AFRICANA

EVOÉ!

Por RÔMULO PAIVA FILHO 22/05/2022 - 11:12 hs


Bom dia, amigos do vinho. No maravilhoso mundo dessa bebida que todos amamos, cada país ou região produtora possui uma cepa que é o símbolo de seus vinhos. Na Argentina a Malbec, no Chile a Carmenère, na Califórnia a Zinfandel, em Portugal a Touriga Nacional e na África do Sul a Pinotage. Essas uvas-símbolo podem ou não ser autóctones e algumas foram criadas artificialmente e esse é o caso da cepa da qual falarei hoje: a Pinotage, orgulho da indústria vinícola da África do Sul. 

Lanzerac Wine Estate: a treasured Cape Winelands experience - LitNet

Em 1925 o professor de viticultura da Universidade de Stellenbosch Abraham Izak Perold polinizou, no jardim de sua casa na fazenda experimental de Welgwallen, uma vinha de Pinot Noir com Cinsault, conhecida na África do Sul como Hermitage, daí o nome Pinotage. As quatro sementes resultantes desse cruzamento foram plantadas por Perold no jardim e as esqueceu quando deixou a Universidade de Stellenbosch para trabalhar numa vinícola em Paarl em 1927. As mudas foram resgatadas por charlie Niehaus, que as transportou até o viveiro de CJ Theron no Eisenburg Agricultural College. 

Sir Lowry's Pass (N2) V3 - 2016 - Mountain Passes of South Africa - YouTube

O plantio comercial começou em 1943 na fazenda Myrtle Grove, perto de Sir Lowry´s Pass mas a uva só começou a ganhar notoriedade em 1959 quando um vinho elaborado com a cepa ganhou o concurso Cape Young Wine Show, na Cidade do Cabo, apresentado pelo enólogo Neyers Truter, grande apreciador e defensor da uva. A partir daí a cepa foi conquistando a preferência dos sul-africanos e passou a simbolizar a viticultura da África do Sul, sendo a mais famosa cepa tinta (muito embora não seja a mais plantada), mas a reputação de seus vinhos nunca foi das melhores, mesmo assim, ela ultrapassou as fronteiras de seu país natal e hoje pode ser encontrada em vinhedos da Nova Zelândia, Estados Unidos, Israel e Brasil.

Beyers Truter | Winemaker

 É uma variedade de maturação precoce, que exige cuidados durante todo o processo de cultivo, desde a poda até a colheita. Para produzir vinhos de alta qualidade a produção necessita ser baixa. Seus cachos são compactos e de tamanho médio em formato cônico. Os frutos tem pele espessa e coloração azulada, quase preta, com polpa macia. Dentre seus aromas destacam-se os de frutas vermelhas e negras, notas de fumaça e especiarias como pimenta preta e toques de alcaçuz. À medida que o vinho envelhece, surgem notas mais exóticas como banana, manga e chocolate. Dá origem a ótimos vinhos varietais e também em blends. Produz vinhos potentes, alto teor alcoólico, corpo médio e encorpado, estrutura firme e taninos macios, com coloração vermelha profunda e intensa. Eu pessoalmente sou um admirador dessa uva e voltei com as malas cheias de Pinotage quando estive na África do Sul em 2014.

El Triunfo de Baco o Los borrachos 1629, el Triunfo de Baco, los borrachos  por Diego Velázquez Fotografía de stock - Alamy

Bem, meus amigos, vou ficando por aqui mas não antes de recomendar fortemente a vocês que experimentem essa sul-africana legítima com DNA francês. Até a próxima, se Deus e Baco assim o permitirem.