O DIA QUE FOI ESQUECIDO...

A liberdade para igualar a miséria

Por SILVIO MUNHOZ 03/09/2020 - 20:10 hs

                       O DIA QUE FOI ESQUECIDO...

                  Prefiro a liberdade perigosa do que a quieta escravidão[1]!...

Os representantes do povo..., reunidos em Assembléia Nacional, tendo em vista que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos do homem são as únicas causas dos males públicos e da corrupção dos Governos, resolveram declarar solenemente os direitos naturais, inalienáveis e sagrados do homem...”

  A tribuna do dia a dia, mídia conservadora de Bandidolândia, é uma verdadeira fonte inspiradora.  Ao ler crônica de um de seus colunistas, aquele ansioso, atrevido e marrento, situada em mundo paralelo, onde a liberdade era suprimida nos EUA, lembrei do dia que foi esquecido em nosso País.

  Que dia é esse?  Sei que esta pergunta está na cabeça de todos.  Tradicionalmente, no dia 26 de agosto é comemorado em Bandidolândia, e em grande parte do mundo, o dia dos Direitos do Homem e do Cidadão, pois na mesma data em 1789, fruto da revolução francesa, inspirada em pensamentos iluministas e na Revolução Americana de 1776, foi promulgada a declaração respectiva, que serviria de base, no futuro, para todos os estatutos similares acerca dos direitos humanos e, como dito em seu preâmbulo, foram declarados solenemente os direitos naturais, inalienáveis e sagrados do homem.

  Qual o porquê desse branco nos cidadãos de Bandidolândia?  Porque, embora por muitos e muitos anos venha sendo confundido com o ‘Direito dos Manos’, a data é sempre comemorada e recebe ampla divulgação na imprensa bandidolense...

  Um grilo falante, espécie de consciência nesse, e em muitos outros mundos fictícios, me sopra no ouvido: parece que a Superintendência Total dos Fatos não tem respeitado muitos esses tais Direitos Humanos por motivos diversos dos apontados pelo colunista citado, mas, igualmente fruto de autoritarismo.  Desta feita da herança comuno/socialista deixada por quase 30 anos de governo esquerdista (a maioria dos Superintendentes foram escolhidos pela devoção demonstrada às pautas e não por seus conhecimentos jurídicos) que, ainda hoje, assola e assombra o País, pois como dito por legisladores guerreiros, preocupados em mudar os rumos de um vizinho País, o comunismo mata. 

  A história comprova, pois desde a URSS de Lenin/Stalin, passando pela China Comunista do PCC, pelo Camboja de Pol Pot e do Kmer Vermelho, a Cuba dos Irmãos Castro e a Venezuela de Chaves/Maduro, só para citar os mais conhecidos, segundo historiadores mais de 100 milhões foram mortos, e sacrificada, totalmente, a liberdade para forçar uma ‘fraternidade’ e ‘igualar’  todos na miséria ou quase todos – menos a Elite dos Partidos que comandam as ‘Revoluções’.  Mas, segundo seus seguidores, somente não deu certo, ainda, pois mal compreendido e aplicado.

   Pois bem, mas quais seriam esses direitos violados pela Superintendência Total dos Fatos??  Ocorre que a declaração possui conceitos como:


1) ninguém pode ser punido sem lei anterior que defina o crime (art. 8º) – parece que andaram criando delitos e querendo punir pessoas por analogia;


2) tudo que não é vedado em lei é permitido e ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer, o que ela não determine (art. 5º) - parece que sem lei proibiram a Polícia de combater a bandidagem em morros e usar helicópteros para sua proteção, dentre outras ‘cositas’ referentes a este artigo;


3) ninguém pode ser molestado por suas opiniões (art. 10), segundo o “Grilo” - andaram prendendo alguns cidadãos por crime de opinião, pela singela razão de as críticas serem contra a Superintendência;


4) ninguém pode ser censurado previamente, pois a
livre comunicação das ideias e das opiniões é um dos mais preciosos direitos do homem, (art. 11) – parece que o Superintendente-Mor andou dizendo que eles eram os ‘editores da nação’, ou seja, determinam o que pode ou não ser dito;

5) não tem Constituição, a sociedade que não assegura os direitos dos homens, nem estabeleça a separação dos poderes (Art. 16) – parece que, ultimamente, vivemos uma Juris-to-cra-cia, pois a Superintendência determina o que o Executivo deve fazer e, igualmente, legisla ou determina o que deve e como ser legislado...

  Pior, como sempre digo, a coisa sempre pode piorar...  a Superintendência Total dos Fatos assumiu os três poderes da república e o sistema de freios e contrapesos criado para impedir tal acumulação não está funcionando...  em síntese, rasgou a Carta Magna do País e, de brinde, amassou e sapateou na Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão...

  Traçado esse panorama, concordo, realmente os moradores de Bandidolândia neste ano de 2020 não tinham razão alguma para comemorar o dia internacional dos direitos dos homens e dos cidadãos.

  Não pensem que esqueci, minha memória é muito boa.  Ao silêncio sepulcral, que causa, com certeza, um barulho estrondoso nas consciências dos eternos e barulhentos defensores dos direitos humanos (ou dos Manos) em Bandidolândia, e que denuncia seu duplipensar “enquanto é com eles está bom”, respondo, dizendo:  QUEM CALA CONSENTE, e quando você consente com a perda da liberdade, o próximo pode ser você!...

Espero que, ao final, a Liberdade triunfe sobre seus inimigos...  Sem ela, nunca haverá igualdade nem fraternidade porque uma não poderá ser constatada e a outra será sempre forçada.“ Adriano Alves-Marreiros, Doutrinador Estrangeiro...[6]

Silvio Miranda Munhoz, cronista da Tribuna do dia a dia.  O mundo aqui retratado é uma ficção e qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência...



[1] https://twitter.com/cefmatta/status/1259538990845308929?s=12Malo periculosam libertatem quam quietam servitutem”. Máxima de valor essencial para a preservação das liberdades civis e direitos fundamentais.