Menos paternalismo e mais maturidade, por favor...

Acreditar que quem vai à praia sem máscara agride a vida alheia, novamente, é insano.

Por DIOGO SIMAS 09/09/2020 - 23:04 hs

Ninguém é obrigado a não ir às ruas, ou à praia, ou usar máscaras, pois basta a quem está com medo do vírus - o que eu entendo, pois o vírus é real, mas nem de longe é o que foi divulgado - ficar em casa, usar máscara ou, se preferir, usar uma burca e a questão está resolvida.

Multar pessoas sem máscara?!?!

LOUCURA.

Proibir pessoas de ir às praias, fechar comércios?!?!?!

INSANIDADE.

Vacinação obrigatória?!?!?!

Quem quiser que tome a vacina, fique, supostamente, imune e problema resolvido!!!

Por que alguém quer obrigar que outros tomem a vacina?!?!

A vontade de controlar a vida alheia é doentia e está alcançando níveis doentios!!!

Egoísmo?!

Egoísmo, etimologicamente, é apenas a palavra"eu" e palavras são neutras, mas, pelo senso comum, é pensar em si e nada é mais necessário do que pensar em si nesse momento.

Ninguém é obrigado a pensar no próximo, mas, sim, é obrigado a respeitar a vida, a liberdade e a propriedade alheia... Porém, crer que não usar máscara ataca o próximo... Loucura!!!

É só quem está apavorado ficar em casa e não querer que todos fiquem em casa!!!

O nome disso é LIBERDADE.

Isso é RESPONSABILIDADE INDIVIDUAL e não querer que o Pai Estado tome conta das pessoas.

Ainda, quem defendeu a quarentena é fora da realidade, pois para quem trabalha hoje para comer hoje, a fome chegou antes do vírus.

Quanto às multas, à fiscalização em praias... PIADAS ESSAS ATITUDES!!!

Somos adultos e ninguém precisa que um governante imponha nada a ninguém.

Repito: não quer ter contato com o vírus?

Fique em casa.

Mas não queira que todos entrem nessa paranoia.

Na vida há vírus, há sangue, há mortes e isso não é filosofia, é a natureza.

A vida não é limpinha.

Acreditar que quem vai à praia sem máscara agride a vida alheia, novamente, é insano.

Não é função do Estado interferir como se adultos fossem crianças.

Menos paternalismo.

Mais maturidade.


Diogo Simas.