Aquela Força Terrível

Observar a figura corrompida e obscena de George Soros é assustador...

Por Eduardo Vieira 05/11/2020 - 21:08 hs

Na sua sensacional obra, "A Trilogia Cósmica", o escritor C.S. Lewis expõe uma trama diabólica que começa na descrição da corrupção do Éden e se estende até a dura luta pelas almas na Terra. Nessa história, escrita na década de 1940 o genial Lewis coloca como vilão maior uma criatura que havia abandonado a humanidade na mais perversa e mesquinha busca pela longevidade. A criatura era protegida por nada mais nada menos que uma ONG chamada N.I.C.E. 

Observar a figura corrompida e obscena de George Soros hoje, controlando marionetes absolutamente ignorantes do negócio que fizeram por um mero punhado de dólares, eu não posso deixar de ficar assombrado com a sobre-humana visão do autor. A criatura do mundo real é igualmente suportada por uma ONG, chamada Open Society Foundations. Um nome bonitinho¹ para uma entidade demoníaca.

O livro que conta essa história reveladora é o terceiro e último da trilogia e seu nome é "That Hideous Strength". Infelizmente não achei uma palavra que traduza exatamente o que 'hideous' me evoca. Algo como horrendo e terrível, tremendo e repugnante, tudo ao mesmo tempo. Ficamos com 'terrível', palavra escolhida pelos tradutores para o português.

Pois nesse momento crucial da existência da nossa civilização, nos dias de apuração das eleições americanas, uma força terrível se moveu para interferir nesse processo vital. Mas seus objetivos não são claros nem diretos. São demoníacos, pois o controlador das marionetes também possui um mestre. E esse mestre busca algo ainda mais vil que a manipulação de um processo democrático. Ele busca a corrupção de todo o sistema.

George Soros aplicou 34 bilhões de dólares na sua rede de operações. São 34 milhões mil vezes, para facilitar a compreensão de tamanha fortuna. Com essa verba tremenda ele comprou advogados em todo o país, insuflou redes de militantes, financiou a vitória de prefeitos e deputados, numa miríade de pontos-chave por todo o país. E ontem ele colheu os frutos da ação dessa rede.

Seu objetivo é obscuro mas perceptível. E ele já o atingiu. Não se tratava de manipular as eleições para a vitória do zumbi democrático e sua "succubus" histriônica. Não, seu objetivo era destruir a confiança do povo americano numa de suas mais importantes instituições: o voto.

Isso ele conseguiu com total sucesso. Aliás sua vitória se deu há tempos. Como uma aranha sentada em sua teia o odioso idoso observou seu sucesso, salivando debilmente, já incapaz de perceber que nada lhe resta de Humano. 

Caso Trump ou Biden vencessem com larga margem as acusações de fraude pululariam. Ninguém poderia tolerar uma vitória ampla do outro lado. E no caso de uma vitória apertada como será esta, tanto melhor. As possibilidades de fraude são maiores e ainda mais verossímeis. 

E pelo ralo vai a confiança do eleitor americano, perdendo uma noção vital que é parte integrante do mágico pacto social que forma o coração de uma nação. Um grande passo foi dado na destruição da América.

O que virá depois poucos podem antever mas podemos garantir algumas coisas básicas. A destruição seguirá feroz e o país se tornará refratário definitivamente aos seus valores fundadores. A degradação moral e intelectual será acelerada e o que vimos de antifas e BLMs será exponencialmente propagado até a ruína e a violência se tornarem normais, narradas por vozes aveludadas pela grande mídia. E a decadência irá se acelerar até uma queda vertiginosa para o abismo socialista, materialista, cruel e assassino.

Para evitar isso precisaremos de heróis dispostos a lutar abertamente contra a maior força que já flexionou seus músculos no nosso planeta. Uma força tão tremenda que ela mal é percebida pela sociedade enquanto seus tentáculos entram em cada casa, corrompem cada família, cada rostinho inocente.

Será uma luta épica, heróica, brilhante. O estandarte desse exército terá vários símbolos mas o principal será a Cruz de Cristo. Sob esse signo, venceremos. Que Deus nos dê a força, a garra e a abnegação para cumprirmos como homens a missão mais brutal, mais dura e mais importante dos últimos séculos. Deus vencerá!

(1) - Trocadilho com o significado da sigla N.I.C.E., que é "bonito".