MENTES DOENTIAS

Quando a ficção e a realidade se misturam

Por ÉRIKA FIGUEIREDO 10/11/2020 - 20:26 hs

Ver séries é um hábito que adquiri, em minhas madrugadas insones. Agora, estou assistindo a “The Undoing”, com Nicole Kidman e Hugh Grant, na HBO. Essa atriz, nos últimos anos, vem se dedicando a séries e filmes, que demonstram o lado oculto das pessoas, uma faceta sombria, que em alguns seres humanos, ao ser exposta, se revela voltada para o mal, para a mentira, para a traição.

            Em “The Undoing”, Nicole e Hugh são uma terapeuta e um médico oncologista, que vivem um casamento aparentemente perfeito, até que, o assassinato de uma mulher, aponta o marido como principal suspeito do crime, mostrando que este levava uma vida dupla.

Os distúrbios de comportamento e de caráter podem destruir muitas vidas, causando estragos irreparáveis. Todos nós somos repletos de afetos, de sentimentos contraditórios. Temos reações de alegria e de tristeza, de raiva e de decepção. Mas possuímos freios internos, que nos impedem que passemos dos limites, em nossas reações. Há, contudo, pessoas que não possuem essa capacidade de sentir, esses freios morais, e que não desenvolvem empatia, em relação às outras pessoas e suas emoções.  

            Ana Beatriz Barbosa, médica psiquiatra e escritora da série de livros sobre a mente humana (Mentes Perigosas, Mentes Inquietas e Mentes Ansiosas), em seu livro sobre os psicopatas, alerta-nos que eles estão entre nós, e correspondem a 4 % da população mundial, e a cerca de 25 % da população carcerária e dos homens que agridem mulheres.

            Psicopatas são pessoas que traem, mentem, enganam e destroem. Valendo-se de um charme acima da média, de uma plena capacidade de convencimento e da ausência de remorso ou arrependimento acerca de suas atitudes, esses indivíduos frios e calculistas são capazes de tudo, para conseguirem atingir seus objetivos.

            Diz Ana Beatriz Barbosa, às fls 69/70 de seu livro Mentes Perigosas: “Os psicopatas possuem uma visão narcisista e supervalorizada de seus valores e importância. Eles se vêem como o centro do universo e tudo deve girar em torno deles. Pensam e se descrevem como pessoas superiores aos outros, e essa superioridade é tão grande que lhes dá o direito de viverem de acordo com suas próprias regras. Para os psicopatas, matar, roubar, estuprar, fraudar etc. não é nada grave. Embora eles saibam que estão violando os direitos básicos dos outros, por escolha, reconhecem somente as suas próprias regras e leis. Além disso, são extremamente hábeis em culpar as outras pessoas por seus atos, eximindo-se de qualquer responsabilidade. Para eles, a culpa é sempre dos outros.

            E segue: “Os psicopatas não sentem qualquer embaraço sobre dívidas contraídas, pendências financeiras ou mesmo problemas de ordem legal ou pessoal (brigas, espancamento de namoradas). De forma indiferente, eles encaram todos os problemas que estejam vivenciando apenas como transitórios, falta de sorte, infidelidade de amigos ou que são derivados de um sistema econômico e social injusto, coordenado por pessoas incompetentes.”

            Acredito que todos nós já cruzamos ou cruzaremos com pessoas assim. Ouso, inclusive, divergir da autora, pois estimo que o percentual de pessoas, com esse distúrbio, é muito maior do que 4%. A internet e a sociedade do espetáculo, fazem com que tudo que se vê seja a imagem, e esta pode nos iludir e conduzir ao convívio com pessoas com mentes doentias.

            Se esse tipo de distúrbio é baseado no narcisismo e na superficialidade de seus portadores, que lugar seria mais adequado a concretizar os objetivos de um psicopata, do que a internet? Através desta, ele pode obter empregos, romances, amizades, dinheiro... e não podemos nos esquecer que eles estão entre nós.

            Em determinado momento da série “the Undoing”, uma frase muito interessante é dita. Como Hugh Grant trata de crianças com câncer, é dito que psicopatas médicos é o que de pior pode existir. Porque, ao salvarem vidas, mais do que os demais tipos com esse distúrbio, podem se considerar semideuses, o que agravará seus sintomas e suas atitudes.

            Concordo apenas em parte. Creio que psicopatas com poder de decisão, na área do Direito, e os que se embrenham na Política, podem causar muito mais estrago. A sociedade terá que conviver com os atos ilegais, com os mandos e desmandos, com a corrupção, as leis esdrúxulas e o desvio de verbas por tempo indeterminado, depois que o psicopata, exercendo um cargo de poder, fizer o seu estrago.

            Recordemo-nos de todos os dissabores que temos tido com pessoas que nos enganaram, na vida pública e na vida privada, e não esqueçamos da capacidade de iludir desses seres com distúrbio tão perigoso, como a psicopatia. A internet e a mídia são palcos perfeitos, para que essas mentes brilhem. E as consequências de nossas escolhas serão sentidas por muito, muito tempo.

 A megalomania desses seres faz com que sejam capazes de tudo, pois não se preocupam com as consequências de seus atos. Teremos eleições no próximo domingo, aqui no Brasil. Nos EUA, trava-se hoje, uma luta do bem contra o mal, na recontagem dos votos, entre um homem capaz de tudo  (Joe Biden), e outro que ama verdadeiramente a América (Donald Trump). Atitudes doentias geram cenários caóticos, quando os psicopatas se apossam do poder público.

Que possamos refletir a respeito das pessoas e do que elas são capazes de fazer, a fim de que não concedamos poder a quem não possuir capacidade para exercê-lo, seja na intimidade de nossas vidas, ou no tocante à coisa pública. Einstein disse: “o mundo é um lugar perigoso para se viver, não exatamente por causa das pessoas que são más, mas por causa das pessoas que não fazem nada quanto a isso”.