O Anti-homem

E o Tratamento Precoce

Por Eduardo Vieira 01/12/2020 - 18:40 hs

Tenho lido tantas barbaridades sobre a peste chinesa que resolvi escrever mais uma vez sobre o aspecto vital desse assunto em termos de saúde.

Máscaras, isolamento e outras idiotices interferem na nossa liberdade e são importantes, claro. Mas o assunto aqui é outro.

Um amigo meu esses dias teve os sintomas do vírus. Foi ao Copa d'Or, hospital de alta qualidade da zona sul do RJ. Lá foi liberado de volta para casa com a indicação Mandetta: dipirona e descanso.

Como ele não é trouxa, já vinha tomando Ivermectina preventivamente há semanas, uma dose por quinzena, e isso reduz a velocidade de aumento da carga viral. O médico imediatamente receitou para ele o pacote da Peste, que citarei abaixo como informação.

Para os imbecis que acham que estou receitando remédios, voltem ao início da frase. Para os idiotas que acham ridículo que um remédio usado contra piolhos tenha ação anti-viral, voltem para o ping-pong no DCE e tomem sempre dipirona. O mundo precisa de elevação genética.

Hoje li uma postagem que misturava erroneamente elementos do tratamento precoce com "medicina natural". Na primeira fase, dê preferência a suco de abacaxi com hortelã. Na segunda fase, se conseguir respirar, tome muita limonada, se puder usar um pouco de gengibre orgânico a chance de cura é muito maior. É inacreditável mas é verdade. Tudo isso vai gerando um ruído de confusão, que por sua vez gera desconfiança e por fim mais medo ainda.

Se o seu ente querido tiver QUALQUER sintoma mequetrefe que seja, parecido com gripe, ou perda de olfato, diarréia, dor abdominal, dor de cabeça, procure o médico e use a lista abaixo como referência:

- Hidroxicloroquina (400mg): um comprimido a cada 12 horas no primeiro dia e depois um comprimido por dia por mais 4 dias. Total de 6 comprimidos ao fim de 5 dias

Azitromicina: um comprimido de 500 mg por dia

Zinco: 20 mg por dia (já vi grandes variações nessa recomendação)

Ivermectina: Dose única dependendo da massa corporal

Anitta (Nitazoxanida): Dose única conforme bula

Vitamina D

Complementos costumam ser anticoagulantes na fase um. O ideal é evitar ao máximo a evolução para a fase 2. Acompanhar o nível de oxigênio com um oxímetro ajuda. 

Na fase 2 o tratamento inclui uma dose altíssima de corticóides, muito acima do padrão que os hospitais iriam receitar.

É importante frisar que esse tratamento NÃO DEVE esperar resultado de PCR, aquele exame do cotonete no nariz. Em alguns casos o resultado demora 5 dias para chegar, o que reduz drasticamente a eficácia do tratamento precoce.

Lembro por fim que esse tratamento não garante a cura, de forma nenhuma. Ele aumenta muito as chances de sobrevivência, conforme VÁRIOS estudos científicos já publicados. Quem diz que não há comprovação científica é ignorante ou mal-intencionado.

E aqui chegamos ao anti-homem. O tratamento citado acima apresenta uma melhora substancial na chance de sobrevivência do paciente. Por que tal pacote foi tão atacado e tão desmoralizado pela (sempre ela) grande mídia, a ponto de ter gente morrendo em hospitais pedindo para não receber o medicamento, com medo de morrer do coração?

As razões são duas, que convergem. Uma é o interesse dos anti-homens pela derrocada do capitalismo. A peste chinesa é uma chance de ouro para arrebentar a economia do Ocidente deixando o discurso da agenda 2030 e do iminente Grande Reset mais embasado. A perda de liberdades individuais também agrada aos gigantes farmacêuticos, preocupados em fechar os mercados e aumentar a aceitação de medicamentos, de preferência os muito caros. Muitos médicos compram essa narrativa sem saber, por oposição a um espantalho, que seria que esse tratamento é "do Bolsonaro" ou "do Trump". E combatem, pois ser médico não exime ninguém de ser burro. Nem de ser canalha.

A segunda razão é o interesse direto da Big Pharma. Essa peste já rendeu bilhões em respiradores e medicamentos caríssimos. Se muita gente melhora com um tratamento baratinho isso seria um baque para os gigantes. 

E há quem faça disso uma forma tremenda de lucrar, sem qualquer preocupação com a pilha de cadáveres que vão deixando atrás deles. Lembrem-se de que Joseph Mengele era médico.

Cito como exemplo a Matança de Manaus, como chamo o "experimento" com participação da FIOCruz e liderança de uma tal Fundação de Medicina Tropical, que deu a idosos uma dose potencialmente fatal de cloroquina (o antecessor obsoleto da hidroxicloroquina): 5 vezes maior que a citada acima. Quando morreram 11 idosos desse grupo, cancelaram o "experimento" dizendo que a cloroquina trazia alto risco de vida. Uma canalhice que não se vê no mundo da ficção.



Só uma pessoa que tiver se tornado um psicopata pode agir dessa forma. É o que chamo de anti-homem. Pessoas que não pertencem mais ao mesmo pacto civilizacional a que nós aderimos durante nossa formação moral. Eles existem numa realidade muito diferente da nossa ainda que caminhem entre nós e se expressem com cuidado e aparente polidez.

Está tudo devidamente documentado, publicado e disponível. Mais uma vez aviso que tenho todo o direito de considerar o "estudo" uma matança e que processarei (na pessoa física do responsável) qualquer "checador da verdade" que coloque uma tarja vinculada a essa publicação.

Links:

Artigo do Fórum Econômico Mundial, que teve seu nome alterado. O nome original era "Não tenho privacidade, não tenho nenhuma propriedade e nunca fui tão feliz":

https://www.weforum.org/.../11/how-life-could-change-2030/


Sobre a Agenda 2030:

https://www.un.org/sustainabledevelop.../development-agenda/


Exemplo de reportagem sobre a matança de Manaus. Observem a alegação de que o risco veio do medicamento:

https://www.telesurenglish.net/.../brazil-chloroquine...


Outro exemplo. Desta vez é acompanhado da declaração canalha de um médico canalha. "To me, this study conveys one useful piece of information, which is that chloroquine causes a dose-dependent increase in an abnormality in the ECG (electrocardiography) that could predispose people to sudden cardiac death", Dr. David Juurlink, the head of the division of clinical pharmacology at the University of Toronto, Canada :

https://nypost.com/.../chloroquine-study-nixed-after.../


Dados completos sobre a matança de Manaus, "estudo" liderado por um sujeito chamado Marcos Lacerda, que evitarei adjetivar adequadamente para evitar processos:

https://www.medrxiv.org/.../2020.04.07.20056424v1.full.pdf


colunista Eduardo Vieira para o Tribuna Diária