É SEU O DIREITO DE EDUCAR O SEU FILHO

é cada vez mais essencial que nós tenhamos um precioso cuidado com a formação dos nossos pequenos.

Por WILLIAM LAGO 28/05/2021 - 17:36 hs

Dia atrás li um artigo na internet, falando que a Disney está lançando personagens com orientação homo e bissexual, visando agradar a militância LGBTYZWW@#¨*. O objetivo alegado é o de sempre: educar as crianças com a promoção de diversidade e aceitação. 

Como os desenhos da Disney são destinados, em sua maioria, ao público infantil, reflito acerca de qual o motivo para se abordar o tema sexualidade a um público que, em regra, ainda não está interessado no assunto?

Nas escolas de hoje, inclusive no ensino fundamental, ouvimos cada vez mais relatos de professores que tentam incutir na cabeça de nossas crianças os assuntos de ideologia de gênero, pronomes neutros, bem como assuntos políticos com viés de esquerda. Em contrapartida, há também, uma tentativa de inserir o elemento de desconfiança nas relações entre pais e filhos e de promoção de preconceitos contra a fé cristã, seja ela de vertente católica ou protestante.

Ao olharmos para sociedade brasileira de hoje, não é possível ignorar que vivemos um declínio moral, cultural e artístico. A moralidade afeta nossa forma de nos relacionar com os demais e reflete, tanto no cumprimento da palavra dada na celebração de um contrato, como na decisão de praticar ou não um crime. Não há como ignorar que quem não privilegia a moral, tentar agir com “esperteza” no trânsito, por exemplo, o que gera não só aumento no tempo de deslocamento de um lugar ao outro, como o alto índice de acidentes com vítimas. Se esticarmos o raciocínio notamos que, desde o alto valor do seguro de veículos, à imensa quantidade de crimes praticados no Brasil, há uma conexão com a falta da moral.

A boa arte e a alta cultura são capazes de elevar o indivíduo a um patamar superior. Não há sociedade que ficou rica apenas com crescimento econômico, sem possuir altos valores morais, culturais e artísticos. E, ao fazermos um exame de consciência sincero sobre cada ponto citado, temos motivos para acreditar que a sociedade brasileira está indo para um bom caminho? 

Se entendermos o grave problema, podemos começar a edificação da base da nova sociedade brasileira dentro das nossas casas, com a proteção, formação e a educação nossos filhos. É preciso que entendamos, porém, que se nós não passarmos os valores aos nossos filhos, eles serão educados pelos desenhos, pelos professores militantes e por todo tipo de más-influências.

O objetivo da introdução da sexualidade nos desenhos infantis e escolas do ensino fundamental não é promover a aceitação da diversidade, mas sim introduzir uma confusão na cabeça das crianças, na fase da formação da personalidade, num período em que elas não estão interessadas, nem preparadas para entender o assunto. Se o objetivo fosse a formação de crianças sem preconceito, tais “campanhas” seriam direcionadas aos pais e não diretamente aos nossos pequeninos, pois aqueles já têm discernimento para compreender o assunto e podem avaliar a melhor forma de educar os filhos.

Uma criança com formação confusa e sem solidez nas bases iniciais de seu aprendizado se torna mais insegura e suscetível a absorver com mais facilidade as influências de certos modismos que poderão comprometer o seu futuro (sexo desregrado, gravidez precoce, uso de drogas, moral frouxa e adesão ao mundo do crime). Após concluírem o objetivo de confundir a cabeça dos nossos filhos na primeira infância, irão fazer de tudo para flexibilizar a base da formação moral deles na fase da adolescência, inserindo-os num mundo de coletivismo, vitimista e rancoroso contra a sociedade e principalmente contra os seus pais. Sem aprender a apreciar a boa música e arte, serão facilmente influenciados por músicas que sem melodia, poesia e cantores afinados, usam uma batida com ritmo hipnotizante para fazer apologia ao banditismo, uso de droga  e sexo desregrado, além de propagar a depreciação da mulher. Nossos filhos, sem as bases sólidas oferecidas pela família, serão presas fáceis destas influencias.

Como o bom funcionamento de nossa modelo de sociedade depende da valorização das nossas conquistas históricas e da restauração das bases morais, não há como desprezar a importância dos valores ensinados em casa pelos pais, da apreciação da boa música e da boa cultura. Cabe pontuar que, sendo uma realidade que os valores morais da nossa civilização ocidental, independente da religião de cada um, são baseados nos princípios cristãos, é inteligível o especial ódio, por parte dos propagadores da cultura da esquerda, a todos aqueles que professam fé em Nosso Senhor Jesus Cristo.

Por isso é cada vez mais essencial que nós tenhamos um precioso cuidado com a formação dos nossos pequenos. Leia uma boa literatura com o seu filho, na qual os personagens principais vivenciem bons valores morais. Análise com visão crítica a mensagem transmitida nos desenhos e filmes assistidos por ele. Não é aceitável que ele aprenda sobre sexualidade na tenra idade e sem a sua supervisão. Ensine-o a apreciar boa música e boa arte desde pequeno e acompanhe o que o professor está apresentando, em termos de valores. Se estes forem contrários aos seus, exija que a escola respeite o seu direito de legítimo educador. Caso o professor e a escola não mudem de postura, processe-os, se for necessário, pois o seu direito de fornecer os seus valores aos filhos está garantido em nossa legislação.

Devemos, então, assumir com total afinco a obrigação de educar os nossos filhos e protegê-los de todas essas más-influências que são meticulosamente programadas para finalidades malignas. É preciso, então, fornecer pilares sólidos aos nossos filhos, pois se não o fizermos, os lobos que estão preparados, motivados e articulados irão fazê-lo.

    WILLIAM LAGO,

advogado, fundador do movimento conservador Brasil Nova Atitude, apresentador do Programa Tudo ou Night.