Na República de toga...

Facebook e Twitter reagem e desobedecem STF, causando uma crise internacional

31/07/2020 - 18:20 hs

Twitter e Facebook protestam pela inusitada prorrogação de competência internacional promovida pela decisão do ministro Alexandre de Moraes ao expedir ordem, para que as redes sociais excluam os perfis dos investigados no “inquérito do fim do mundo”, como ficou conhecido, pela investigação de supostas “Fake News”.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quinta-feira (30) que o Facebook faça a exclusão de 16 contas de aliados do presidente Jair Bolsonaro investigados no âmbito do inquérito das “fake News”, conforme noticiado pelo site jornalístico, Conexão Política.

A administração do Facebook emitiu nota oficial, se recusando a cumprir a ordem e informando que irá recorrer da decisão no plenário da Suprema Corte.

Isso, com base no fato de que cumprir essa ordem poderá gerar precedente jurídico internacional de prejuízo incalculável para a liberdade de ação dessas empresas.

A rede social Twitter respondeu que “a decisão de Moraes foi desproporcional por ferir a liberdade de expressão vigente no Brasil” e pretende seguir o mesmo caminho da coirmã, Facebook.

Os perfis atingidos eram de Roberto Jefferson, Luciano Hang, Edgard Corona, Otávio Fakhoury, Edson Salomão, Rodrigo Barbosa Ribeiro, Bernardo Kuster, Allan dos Santos, Winston Rodrigues Lima, Reynaldo Bianchi Júnior, Enzo Leonardo Momenti, Marcos Dominguez Bellizia, Sara Winter, Eduardo Fabris Portella, Marcelo Stachin e Rafael Moreno.

O STF, que já havia sido denunciado na Corte Internacional por grave violação aos direitos constitucionais de liberdade de expressão pelo MP-PRÓ SOCIEDADE, como divulgado por nós em matéria de primeira mão, agora se vê às voltas num imbróglio com gigantes corporações da rede mundial.