TRUMPERS ENTUSIASMADOS!

Os comícios, caravanas e todas as demonstrações imagináveis ​​de intenso apoio contam a história melhor do que quaisquer palavras


Há quatro anos, a mídia gostava de tagarelar sobre os chamados “Never Trumpers”, Republicanos que não votariam em Donald Trump jamais.

Especulou-se que esses eleitores, muitos deles bastante ligados à elite política de Washington, colocariam a cereja no topo do bolo eleitoral de Hillary Clinton. Claro que isso provou ser fantasioso.

Esse grupo está de volta. Eles não são maiores em número, mas seu volume aumentou. E a mídia o explorou ​​mais uma vez.

Mas há outro grupo de republicanos que apoiou entusiasticamente outros candidatos republicanos, que não Donald J. Trump, antes de ele ser nomeado. Eles permaneceram cautelosos sobre Trump, mesmo após a convenção. No final, eles perceberam que havia uma “escolha binária” e puxaram a alavanca para Trump sobre Hillary. Vamos chamá-los de “Trumpers Relutantes”.

Eles ainda estão aqui também. Mas há uma grande diferença este ano. Eles agora são “Trumpers Entusiasmados”.

Eu sei. Eu sou um deles.

Há quatro anos, fui co-coordenador nacional da campanha incipiente de Carly Fiorina. Ela e eu servimos juntos no Conselho da União Conservadora Americana e eu queria um candidato conservador. Tendo apoiado os conservadores desde meus dias na equipe de campanha de Ronald Reagan, ainda não estava convencido da boa-fé do ex-democrata Donald Trump.

O outro coordenador da campanha de Carly foi Joe Schmuckler, um empresário de muito sucesso. Schmuckler serviu como tesoureiro da campanha de John McCain em 2008. Houve algumas razões óbvias para Schmuckler hesitar em apoiar totalmente Donald Trump.

Quando conversei com Joe este ano, achei interessante descobrir que, assim como eu, ele está apoiando totalmente Donald Trump.

Não mais relutante, para dizer o mínimo, Joe Schmuckler reflete duas coisas: o número significativo de republicanos cujo apoio a Trump mudou de morno para entusiástico e uma onda crescente de intensidade no apoio geral ao presidente Trump.

Schmuckler me disse que em 2016, “Eu perdi. Só depois que ele se tornou presidente é que entendi totalmente o poder da mensagem de Donald Trump.” Ele poderia ter dito que NÓS perdemos.

Joe Schmuckler está longe de estar sozinho. Sua explicação simples, de que assistir Donald Trump realmente colocar a América em primeiro lugar (America First) o convenceu de que Trump realmente é mais atitude do que conversa, é algo que ouvi repetidamente de ex-Trumpers Relutantes.

Andy Warren é ex-comissário do condado de Bucks County, Pensilvânia. O Condado de Bucks é um dos condados que circundam Filadélfia. Com mais de 625.000 residentes, é maior do que Wyoming ou Vermont. É uma área que não se pode definir como republicana ou democrata, mas de uma população com ideias verdadeiramente plurais. Andy Warren sabe disso muito bem. Ele foi comissário daquele condado por 16 anos.

Naquela época, Andy Warren era um republicano moderado. Quando 2016 chegou, Donald Trump era o número 17 dos 17 principais candidatos presidenciais republicanos na lista de possibilidades de Andy Warren. Mas não este ano.

“Sou 1000% a favor de Donald Trump”, Warren me disse recentemente, “mesmo quando eu estava concorrendo como candidato, meu sentimento não era tão forte, quanto é em relação a esta eleição ”.

Warren acredita que Trump será considerado um GRANDE presidente, não apenas um bom presidente. Ele também vê a enorme guinada para a esquerda de Biden como genuinamente assustadora. “Temo, como raramente temi algo, o que uma vitória de Biden faria à América.”

O apoio desenfreado de Warren a Trump desta vez se dá por muitos motivos. Entre eles estão os sucessos do presidente Trump em nos manter fora da guerra e a economia em expansão estimulada por suas políticas econômicas.

“Em 2016, Donald Trump ainda era uma ideia”, diz Adam Goodman, Edward R. Murrow Fellow na Tufts University e veterano publicitário republicano. “Em 2020, ele tem um recorde de quatro anos desafiando o establishment - com grande sucesso.”

Goodman, como meus outros amigos, agora apóia Trump de forma entusiástica.

Enquanto eu ainda estava começando minha carreira com Ronald Reagan, Adam e seu pai, o lendário Bob Goodman, estavam produzindo os anúncios icônicos de George H.W. Bush que o tornaram um candidato nacional. Ele apoiou seu filho, Jeb, em 2016.

Para Goodman, a disposição de Trump em desafiar a China é um fator importante em seu apoio ao presidente. “Ele é o primeiro presidente enfrentar abertamente a China”, disse Goodman. Da mesma forma é a imigração. “Agora estamos uma conversa real sobre cidadania. Trump destacou o fato de que ou temos fronteiras reais ou não. ”

Meus amigos e eu não estamos sozinhos.

As redes sociais estão repletas de sentimentos semelhantes desde que David Sound postou seu artigo no The Federalist, reconhecendo que ele nem votou em Trump há quatro anos, mas “rastejaria sobre vidros quebrados para votar nele agora”.

Para os mais iluminados que viram o caminho há quatro anos, seu entusiasmo permanece inabalável. Os comícios, caravanas e todas as demonstrações imagináveis ​​de intenso apoio contam a história melhor do que quaisquer palavras. É uma intensidade que a campanha de Biden só sonha em replicar.


   Exclusivo, de Charlie Gerow, para o TD.