ÁLBUNS ICÔNICOS

Os 365 mais da história do Rock - 285

Por Colunista Misterioso 19/11/2020 - 21:41 hs

ARTISTA: Procol Harum
ÁLBUM: Grand Hotel
Reino Unido (Inglaterra), 1973
Nem só de “A Whiter Shade Of Pale” vive o Procol Harum – ver coluna 89. Formado em 1967, em Essex, Inglaterra, por Gary Brooker e Robin Trower, ambos nascidos em 1945, originalmente se chamavam The Paramounts, e logo em seu álbum de estreia, já com o novo nome (uma corruptela de procul harum, que em latim quer dizer algo como “longe dessas coisas”, mas o harum também tem a ver com o profeta bíblico Aarão, possivelmente relacionado ao “Leão Guerreiro” do antigo Egito) e em pleno clima de psicodelia, emplacaram uma das músicas mais conhecidas e regravadas de todos os tempos, aquela cuja letra é discutida até hoje, “A Whiter Shade of Pale”. Produziram outros bons álbuns durante toda a década de 70 e ficaram tão famosos na época que chegaram a dar nome a um asteroide. Com formação ligeiramente alterada, estão na ativa até hoje. Este Grand Hotel foi o primeiro sem Robin Trower, que saíra depois de Broken Barricades, de 1971, substituído por Mick Grabham (1948- ), que, apesar de não ter o talento de Trower, não deixou a desejar e permaneceu por quatro álbuns, até a volta de Trower, em The Prodigal Stranger, de 1991. Desse sexto álbum de estúdio destacamos a faixa-título “Grand Hotel”, “Fires (Witch Burnt Brightly”, “Bringing Home The Bacon”, “A Souvenir Of London” e “Toujours l’Amour”.