ÁLBUNS ICÔNICOS

Os 365 mais da história do Rock - 330

Por Colunista Misterioso 13/01/2021 - 00:49 hs

ARTISTA: David Bowie
ÁLBUM: Aladdin Sane
Reino Unido (Inglaterra), 1973
O genial David Robert Jones (1947-2016), mais conhecido como David Bowie, é outra figura carimbada nesta coluna (ver 6, 112 e 191). Ou também chamado de “Camaleão do Rock” por variar por tantos estilos diferentes que, de fato, é impossível classificar sua obra em uma prateleira só. O nome “Bowie” é referência ao modelo de faca criado pelo americano Jim Bowie (1796-1836), morto na famosa batalha do Alamo contra o exército mexicano, e foi adotado para evitar confusão com o homônimo Davy Jones (1945-2012), dos Monkees, mas também tem a ver com o personagem David Bowman, de 2001: A Space Odyssey, de Stanley Kubrick (1928-1999), que inspirou sua Space Oddity, de 1969.
Que ele sempre esteve à frente de seu tempo, parece indiscutível. Sua famosa trilogia de Berlim (Low, Lodger e Heroes [coluna 191]) lhe rendeu status de músico de primeira linha, mas mesmo antes, especialmente com The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders From Mars (coluna 6), ele já provara isso com sobras, antecipando em décadas a questão sexual, e o repetiria depois – era um profissional incansável – ver coluna 112, Scary Monsters and Super Creeps, e nunca ouvi falar de um encerramento de carreira tão nobre quanto Black Star, de 2016.
Talvez a mais icônica das capas de Bowie, este seu sexto trabalho de estúdio trazia Alladin Sane, um insano esquizofrênico, registra sua percepção sobre a América (foi composto durante a turnê de Ziggy Stardust nos EUA) e daqui se destacavam a própria “Alladin Sane”, “Panic in Detroit”, “Time”, The Prettiest Star” e “Watch The Man”.