O MUNDO EM 30 MINUTOS

A unidade especial do exército de Israel eliminou outra célula terrorista

Por Marcus L L Chagas 13/05/2021 - 18:06 hs

Conflitos entre forças de segurança israelenses e grupos palestinos aumentam a escalada e se transformam em confronto armado entre as Forças de Defesa de Israel e grupos terroristas ligados ao movimento palestino.

Os distúrbios civis iniciados entre os dois grupos com a ocorrência do mês do Ramadan Islâmico e do “Dia de Jerusalém” israelense se transformaram rapidamente em uma situação de guerra. Diversos ataques com foguetes executados por grupos palestinos contra cidades israelenses obtiveram como resposta uma contundente ofensiva militar de Israel contra alvos do grupo terrorista Hamas, e demais grupos paramilitares e ativistas palestinos.

Por meio de ataques aéreos e operações com drones, as forças israelenses bombardearam diversas zonas na Faixa de Gaza, matando vários agentes do grupo terrorista e demolindo um edifício de 13 andares que seria a sede de operações de células palestinas. Os ataques palestinos se intensificaram, contudo, fazendo com que diversos foguetes penetrassem as defesas do famoso sistema antiaéreo israelense, o “Iron Dome”, causando medo e destruição por todo o Estado de Israel. Segundo autoridades israelenses, mais de 1,050 foguetes foram lançados contra Israel nas últimas 48 horas. Os últimos alvos a serem incluídos na lista dos palestinos foram a cidade de Jerusalém e a capital financeira de Israel, Tel Aviv, o que gerou uma escala ainda maior nos confrontos.

De acordo com o governo israelense, as operações obtiveram sucesso na execução de vários objetivos, incluindo a execução do líder do Hamas, o terrorista Iyad Fathi Faik Sharir.

O Primeiro Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu fazer tudo que for necessário para proteger o povo israelense das hostilidades palestinas. A situação se desenvolve de forma crítica, com a continuidade dos robustos ataques palestinos, que se estendem pelos dias e madrugadas. É quase certo que um cenário ativo de guerra entre Israel e os grupos palestinos seja novamente instaurado na região.

HOJE:

Um míssil caiu na área de Eilot, que é próxima a cidade de Eilat no extremo sul do país. Não há feridos.

Um UAV (aeronave não tripulada) suicida (com bombas) foi lançado de Gaza contra uma das comunidades perto da fronteira, os lançamentos de drones suicidas do Hammas, perto da faixa de gaza continuam, mas o exército israelense continua conseguindo abatê-los.

A unidade especial do exército de Israel eliminou outra célula terrorista que estava lançando mísseis anti-tanques ao sul da faixa de gaza, acobertados no topo de um edifício residencial, usando a população civil como escudo humano contra a reação militar israelense.




O exército de Israel anunciou o recrutamento de sete mil reservistas.

 

Colômbia

Governo da Colômbia reage a manifestações e protestos populares com extrema violência, aumentando as tensões sociais e políticas, já existentes no país pelos reflexos do combate ao vírus chinês e pela falta de coesão entre povo e governo.

Mesmo cancelando uma proposta de aumento de impostos para subsidiar gastos públicos no enfrentamento da pandemia, o governo do Presidente Ivan Duque enfrenta grave crise política e social na administração da Colômbia. Diante de uma população revoltada e extremamente insatisfeita com as políticas do governo, as forças de segurança do país, segundo relatos, reprimiram com grande violência protestos populares nas últimas semanas, levando à morte de mais de 32 pessoas, altos números de desaparecimentos e inúmeras denúncias de abusos por parte das autoridades no manejo da crise.

A situação não deve ser amenizada nos próximos dias e semanas, dado o nível de fragmentação social e política observada na Colômbia. Diversas paralisações e manifestações continuam na pauta popular, com a situação podendo afetar diretamente a relação povo-estado, e principalmente os resultados das próximas eleições no país, previstas para o ano que vem.

 

Reino Unido

Na Terça-feira, a Rainha Elizabeth II realizou os procedimentos de abertura do Parlamento para o ano de 2021, iniciando as atividades da instituição sob o novo ciclo anual e indicando as prioridades e agendas de seu governo, a serem trabalhadas pelas duas casas.

Um dos pontos mais importantes do discurso da Rainha (Queen’s Speech) foi a proposta da Administração Boris Johnson para que, nos processos eleitorais britânicos, passe a ser exigida a comprovação de identidade dos eleitores mediante a apresentação de documento oficial com foto.

Outro ponto que se destacou, dentre os diversos apresentados pelo governo por meio do discurso da Rainha, foram as diversas reformas propostas, uma vez que não há um consenso parlamentar sobre elas e, ao que parece, nem mesmo dentro do próprio Partido Conservador, que governa.

Enquanto o governo acompanha com atenção o ressurgimento de alguns focos de casos do Coronavírus pelo Reino Unido, o Primeiro Ministro, Boris Johnson anunciou ontem a instauração de um inquérito completo e independente no país para apurar e investigar a atuação das autoridades e instituições durante a pandemia, sobretudo no tocante às políticas públicas implementadas no período.

Ainda em relação ao Reino Unido, ontem foi anunciado que a França pretende fazer tudo que estiver a seu alcance para bloquear o acesso da City Londrina (principal centro econômico-financeiro da Europa) aos demais países europeus e aos fóruns e às deliberações sobre o mercado financeiro. Segundo analistas, essa seria a primeira de uma série de pressões internacionais a serem desenvolvidas pelo governo francês em retaliação às disputas que envolvem o acordo pós-Brexit, entre o Reino Unido e a União Europeia, sendo os direitos de pesca no Canal Inglês um dos principais pontos de atrito.

 

Austrália

Diante de escalada sem precedentes de tensões com a China, o governo da Austrália prepara um incremento robusto no orçamento de defesa e segurança do país.

Um dos principais aliados militares e políticos dos Estados Unidos e do Reino Unido na região, a Austrália, que também é membro fundamental da rede de inteligência Internacional “Five Eyes Intelligence” (Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia), vem, nos últimos anos, incrementando substancialmente suas capacidades militares e tecnologias de defesa. O receio em relação às crescentes hostilidades da China, tanto no campo econômico-comercial, quanto no campo político-militar, tem favorecido o aprimoramento da comunidade de segurança no pacífico.

Recentemente, a imprensa estatal chinesa veiculou ameaças graves à Austrália, declarando que a China utilizaria ataques com mísseis balísticos contra o país, caso ele se envolvesse nas disputas e potenciais confrontos relacionados a Taiwan.

 

Estados Unidos

A manutenção (política) das taxas de juros da economia americana em patamares muito baixos, aliada às dificuldades de produção e emprego enfrentadas pelo país e aos monumentais pacotes de gastos públicos propostos pela Administração Biden, promete causar graves distorções macroeconômicas nos Estados Unidos. A disparada da inflação americana é um dos primeiros (e graves) sinais que indicam o vislumbre de uma nova crise no horizonte, podendo esta ser mais grave que aquela em 2008, dado o nível atual de endividamento do governo americano e as disputas econômicas com demais países.

Ontem, os resultados da inflação e do desemprego no país derrubaram as expectativas do mercado financeiro, nos Estados Unidos e em todo o mundo. A pressão sobre o FED aumenta para que a política monetária americana comece a trabalhar uma estratégia de aumento das taxas de juros.

Após o bloqueio por quase uma semana de mais de 5,000 milhas de oleodutos no país, gerado por um ataque hacker, a empresa que administra essa infraestrutura, a Colonial Pipeline anunciou ontem a tarde o início das operações de reestabelecimento do sistema. Segundo a empresa, mesmo assim, o processo poderá levar vários dias, elevando os temores de escassez de combustíveis em algumas regiões dos Estados Unidos e de aumento nos preços.