FRASES "MAL-DITAS" DA SEMANA

Barroso e Dirceu, os laços ideológicos, as coincidências e decisões de ocasião

Por DIOGO FORJAZ 21/08/2021 - 17:24 hs

Recentemente, durante uma live, o ex-ministro chefe da casa civil do governo Lula, articulador do foro de São Paulo, reconhecido publicamente como mentor da esquerda brasileira, condenado por corrupção e liberto pela mesma suprema corte em que circulam suspeitas de sua influência. O também ex-guerrilheiro e símbolo histórico do partido dos trabalhadores, considerado a mente por traz da ditadura mensaleira dos anos 2000, José Dirceu, em meio a análises e avaliações delirantes sobre as eleições de 2018 afirmou com todas as letras:

 

...podia acontecer qualquer fato, como acontece às vezes ali impedisse isso, ou erros nossos como foi a facada Bolsonaro..."

 

Não é a primeira vez que o revolucionário comunista treinado em cuba, e que passou até por cirurgia plástica para dificultar sua identificação, mostra total despreocupação e descaso com a justiça. Ele já havia protagonizado ataques à democracia em sua famosa frase recentemente reeditada com ar de brincadeira pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente do TSE Luís Roberto Barroso.

 

...nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar eleição."

José Dirceu

 

Eu até brinquei com ele que as eleições em Roraima não se ganha, se toma. (alguns segundos depois, referindo-se aos equipamentos)Tá com áudio?"

Luís Roberto Barroso

 

O caso Adélio acumula uma sucessão de perguntas sem resposta:

 

   Porque Adélio Bispo tinha registro na câmara na data do atentado? Por que dois policiais legislativos pesquisariam seu nome nos registros da câmara?(justificativa da câmara: https://www2.camara.leg.br/comunicacao/assessoria-de-imprensa/camara-informa/camara-esclarece-sobre-registros-de-entrada-equivocados-de-adelio-bispo-de-oliveira )

   Com que recursos o servente de pedreiro frequentou stands de tiro frequentados pela familia Bolsonaro, viajou, hospedou-se com antecedência e ainda adquiriu celulares e notebook?

   Quem custeou os famosos advogados que chegaram de jatinho para defendê-lo? Com que objetivos?

   Por que a mesma Justiça, Mesma suprema corte que autorizou a quebra do sigilo fiscal bancário e telefônico de deputados por suposto envolvimento em manifestações pacíficas, intituladas "antidemocráticas", não procedeu da mesma forma com os envolvidos no atentado que poderia ter mudado o resultado democrático das eleições presidenciais de 2018 no Brasil?

 

Os laços ideológicos, as coincidências e decisões de ocasião acabam por criar um contexto complexo para a frase que tem sido tratada como um simples deslize. O que seriam atos antidemocráticos, ou ataques à democracia de fato?

 

 

   DIOGO FORJAZ

  • Colunista, apresentador e jornalista do Tribuna Diária