CONHEÇA ESSA ARTE ANTIGA

Heráldica, filha da cavalaria

Por Barão Gonzales 17/10/2021 - 17:16 hs

A utilização de símbolos na comunicação está presente em nossa história desde que nossos antepassados criaram a arte rupestre, para contar para seus herdeiros, a história de suas vidas e imortalizar nas cavernas, o legado de suas vitórias, costumes para seus descendentes.


Arte rupestre – Wikipédia, a enciclopédia livre


A heráldica é mais uma das milhares formas de simbologia que o ser humano criou no decorrer da história, ela é uma ciência que estuda a construção dos brasões de armas, seja de uma pessoa, família, cidade ou até país. Ela também é considerada uma forma de arte.

A construção dos brasões de armas caminha paralelamente com a história e desenvolvimento das ordens de cavalaria na Europa.


Aventuras na História · 5 incríveis cavaleiros medievais dos quais você  nunca ouviu falar


O intuito de portar um brasão é simplesmente através da simbologia que compõem o campo de escudo, transmitir linhagem familiar e valores únicos de quem é o dono do brasão. Assim qualquer pessoa que visualizar esse escudo saberá de quem é.

A pintura nos escudos para a guerra parte dessa mesma premissa descrita no parágrafo acima, pois assim o inimigo saberia com quem estaria lutando. Pode-se dizer que muitas vezes poderia acabar sendo objeto de intimidação por saber contra quem estavam guerreando.

espadas,katanas,replicas armas,medieval,armaduras,replicas espadas,...


Esse costume partia do pressuposto que diferente de Roma e Esparta que tinham um exército profissional onde o triunfo do soldado era o triunfo do Estado que mantinha aquele exército, ou seja, embora pudesse haver virtuosos guerreiros no que diz a respeito ao individual, no fim havia uma característica coletiva.


Já em contraponto, como na Idade Média não havia exército profissional e a defesa de um país era formada por uma aliança militar liderada pelo rei. Somando a isso o senso do martírio cristão, em dar o sangue e morrer por Cristo culminou numa característica individualista a respeito dos feitos em campo de batalha pelos cavaleiros.

Foi a partir desse impulso em querer ser o mais bravo e nobre em campo de batalha, que cada vez mais os nobres e cavaleiros aderiram a esse tipo de arte nos escudos.

Também foi a partir desse ponto que os filhos dessa nobreza guerreira passaram a herdar as armas que compunham o escudo que havia iniciado com seus pais. Isso deu origem ao que conhecemos hoje como os brasões de família.