ALTA CULTURA - GRANDES NOMES DA MÚSICA CLÁSSICA BRASILEIRA

Carlos Gomes e a Música Romântica Brasileira:

Por Maestro Roberto de Souza Barros Kalili 07/11/2021 - 11:11 hs

Nosso compositor mais conhecido, e também o menos conhecido. O nome do Maestro Carlos Gomes - via de regra - aparece seguido de seu maior sucesso, a ópera “O Guarani”, cujos primeiros compassos estão na abertura do programa de rádio obrigatório do governo, todos os dias, em todas as rádios. Ocorre, no entanto, que nem mesmo os músicos mais estudiosos conhecem uma nota sequer de seus outros trabalhos; que pela qualidade e quantidade, serviriam sozinhos para mudar o entendimento que possuímos sobre nossa cultura.  Apresento aqui algumas das suas obras menos conhecidas, mas aviso logo que a maior parte de seu trabalho, ainda permanecerá oculta até que uma nova geração de músicos se volte para gravá-las; e não encontramos nada além das partituras, lindas, românticas, influenciadas pela “modinha” (gênero criado no Brasil pelo violonista e poeta Domingos Caldas Barbosa - 1740/1800). Arte importante de sua obra - as “Fugas” - a mais elaborada de todas as formas musicais, de origem barroca, que demonstra o profundo conhecimento musical. Um grande compositor, completo, influente e autor de sucessos mundiais, que tem sido pouco e mal divulgado e permaneceu desconhecido nestes tempos bicudos.




Por décadas temos permitido o pior uso possível do dinheiro público, investimos no chorume de nossa cultura. Não sei você, mas eu fico aborrecido ao saber que pago pela destruição de nossa civilização, e se não tomarmos uma providência, jamais seremos capazes de sair das patas imundas de obscenas e degeneradas ratazanas que controlam a produção e divulgação de arte no Brasil.

Este é o momento da Ressurreição Cultural Brasileira, e digo isso com a boca cheia! É impressionante percebermos o quanto o povo brasileiro esta empenhado em restaurar nossos valores, temos acompanhado centenas de milhares de conterrâneos estudando os grandes filósofos gregos sob uma ótica tipicamente nacional (graças ao trabalho do Professor Olavo de Carvalho), e artistas que finalmente conquistaram um espaço para expressão de seus trabalhos após mais de sessenta anos de ditadura cultural progressista. Sim, grandes músicos, poetas e pintores que cresceram na obscuridade imposta pela mídia, finalmente estão desabrochando.




Chegou o primeiro verão conservador, o Brasil mudou muito mais do que se pode ver na superfície e uma nova onda vem se formando no horizonte,  que vai estourar nos ouvidos toscos da modernidade. Espero incomodá-los tanto quanto eles nos incomodam, seja com suas exposições de lixo, suas músicas idiotas e seus quadros imundos, seus escritores que se dizem “abnegados românticos lutando em prol dos pobres contra a tirania capitalista”, mas não passam de psicopatas desajustados tomados de ódio assassino por um mundo que sequer compreendem, seja por seus poetas incultos e performáticos, desprovidos do amor em suas vidas sem sentido.




Se a nefasta “Semana de Arte Moderna” de 1922 destruiu nossa cultura, cem anos depois estamos preparados para reverter o estrago e recuperar nosso amor pela pátria.  Viva Bilac, Cruz e Souza, Castro Alves, Antônio Parreiras, Benedito Calixto, Clodomiro Amazonas, Monteiro Lobato, Gastão Cruls, Vicente de Carvalho e Mario Ferreira dos Santos! Vamos conhecer um pouco da obra de Carlos Gomes.