EM DEFESA DO BRASILEIRISMO

Precisamos resgatar o orgulho brasileiro!

Por Comendador Davi Valukas 12/12/2021 - 21:05 hs

Daqui a exatos nove meses o Brasil comemora o bicentenário de sua independência. É o tempo de uma gestação, que neste caso pode gerar um prodigioso filho chamado Resgate da Identidade Nacional. 

O Brasil tem uma belíssima história, composta por fatos heroicos que deveriam alimentar o imaginário popular, enchendo de orgulho a todos que porventura amem este quinhão de terra, composto por um vasto território e um povo culturalmente diverso e acolhedor. 

Nossa independência foi um pouco diferente da dos nossos países vizinhos, pois representou não uma ruptura violenta, apesar de alguns conflitos subsequentes, mas uma continuidade representada pela sucessão bragantina. O próprio Dom João VI, ao partir a contragosto para Portugal, sob pressão das cortes, disse ao filho Pedro de Alcântara, futuro Dom Pedro I, para ele colocar a coroa na cabeça antes que um aventureiro o fizesse. Mais um motivo de orgulho nacional. 

Todavia, o golpe militar positivista de 1889 deu início a um processo criminoso de apagamento da memória nacional, que culminou na criação das maiores aberrações pseudo-históricas, como a que substitui o significado real das cores de nossa bandeira, composta pelo amarelo dos Habsburgo e pelo verde dos Bragança (referência ao casal Imperial Dom Pedro I e Dona Leopoldina), por uma exaltação artificial a nossas riquezas naturais (que já estavam aqui quando o Homem branco chegou, o que demonstra o desprezo pelo cultivo e pela forja da nação). 

Exemplos de bravura e virtude não faltam ao nosso povo, que vive um complexo de vira-lata completamente irracional. 

O Brasil possui, segundo alguns estudiosos, cinco linhagens culturais, resultado da simbiose das matrizes indígena, africana e europeia nas diferentes regiões desse país continental, a saber: 

- Caipira: São Paulo, Sul do Rio de Janeiro, Triângulo Mineiro, Sul de Minas, Norte e Noroeste do Paraná, Goiás, Tocantins, Rondônia e Mato Grosso do Sul;

- Cabocla: norte do país (exceto Rondônia);

- Crioula: Bahia e Rio de Janeiro (majoritariamente);

- Sulina: Sul do país (exceto as regiões Norte e Noroeste do Paraná);

- Sertaneja: Nordeste do país (exceto Bahia, especialmente Recôncavo baiano).

É evidente que o êxodo rural dado no início do século passado, junto com o fluxo migratório, desfigurou um pouco essa explicação, mas no sentido de origem cultural, continua sendo uma explanação bastante acertada.

Se quisermos um país novamente próspero, trilhando um bom caminho no sentido oposto de tudo o que nos envergonha hoje, precisamos resgatar o orgulho brasileiro, ligando novamente nossa desconectada mentalidade à identidade nacional construída por nossos antepassados.

Eu chamo tal identidade de BRASILEIRISMO, não bastando sermos brasileiros por nacionalidade, mas por afinidade, raízes e amor!